Broa de Mistura

 

A História

Onde tudo começou

A broa de mistura tem acompanhado a nossa alimentação desde os tempos mais antigos. Era um alimento indispensável à mesa dos portugueses, principalmente na zona norte.
A broa acompanhava as refeições desde a manha até à noite. Como havia pouca variedade de alimentos, o milho e outros cereais que os agricultores cultivavam, moíam e assim faziam a farinha, permitiam grande diversidade de receitas de broa.

A broa traidicional era guardada até 1 a 2 semanas dependendo das necessidades.

Muitos ainda se lembram das broas das avós e bisavós.
Essas receitas passaram de boca em boca, de mão em mão, mantendo-se ainda hoje.

descrição

Uma broa pode pesar entre os 0,5 kgs e os 3kg.

Apresenta uma forma arredondada, uma textura mole no seu interior, e uma crosta exterior rija e crocante. É de cor acastanhada, com aroma intenso devido a uma levedação lenta e retardada.

Pode ser uma broa à base de centeio ou à base de milho.

outras denominações

Não aplicável

 

Ficha de Produto

l

Designação Comercial

Broa de Mistura

Tipologia

Pão e Broa

Origem

Norte

Condições de conservação e prazo médio de validade

Devidamente acondicionada em lugar fresco e seco, pode durar 5-6 dias.

Onde encontrar

Matérias Primas

Farinha de milho, Farinha de Trigo, Farinha de Centeio, Farinha de malte, açorda de Pão, Sal, água e melhorante.

O Processo

Processo de Fabrico

“Broa de Mistura”

Começa-se por escaldar a farinha de milho com água a cerca de 60ºC.

Deixa-se repousar e arrefecer. Junta-se a farinha de centeio e a farinha de trigo, o sal, a água, farinha de malte, a açorda de pão molhado e o crescente, que é sempre feito de um dia para o outro.

Amassa-se em velocidade lenta e fica a repousar cerca de 2 a 3 horas.

É padejado em escudela e enfornada.

Coze durante cerca de 2 horas.

Fontes
Douropão
DGADR – Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural